O erro do desprezo pela lógica

É comum, hoje em dia, as pessoas dizerem que a lógica não é tão importante. Que passou o tempo dela e que o que conta agora é a criatividade. Um tanto traumatizados com as idiotices que os lógicos costumam cometer, acreditam que desprezar a lógica é o caminho mais correto a seguir.

Eu não vou negar que alguma razão há nessa desmistificação da lógica. De fato, existem pessoas que acreditam que ela é o símbolo máximo da inteligência, como se bastasse ser um bom lógico para desvendar os grandes mistérios da humanidade.

No entanto, não é por sua completa desmoralização que o ser humano encontrará os caminhos do conhecimento. Na verdade, a lógica é um instrumento necessário para o raciocínio, apesar de não ser suficiente para ele. Como instrumento é indispensável, mas para que o pensamento se complete e tenha sentido é necessário preencher as variáveis com conteúdo. E é no preenchimento do conteúdo que serão necessários a criatividade, a capacidade de abstração, o senso imaginativo, o conhecimento real e o domínio da linguagem.

Confundir isso com a não necessidade da lógica é, por si mesmo, ilógico. Achar que a lógica é um instrumento ultrapassado é não entender nem sua função, nem seu alcance. Por isso, quando eu ouço, como tenho ouvido de alguns experts, que a lógica não é mais importante, tenho certeza que esse desprezo afetou, antes de tudo, suas próprias inteligência.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

Os efeitos intelectuais da submissão ao politicamente correto

Uma das maneiras mais eficientes de alguém emburrecer rapidamente é submeter-se aos ditames do politicamente correto. Por isso, quem tiver o interesse de proteger sua inteligência, o primeiro passo é entender que sua subjetividade é muito valorosa para se deixar escravizar pelas ordens vindas de coletividades formadas por pessoas que há muito tempo abriram mão de seus cérebros em favor de uma mente amorfa e simiesca.

Ler mais

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

Um modelo de discurso para futuros presidentes

TemerOs pronunciamentos do presidente Michel Temer têm sido, ao menos para mim, uma grata surpresa. É evidente que não posso negar que o efeito negativo das aparições da presidente afastada pode estar sendo decisivo para essa impressão. De qualquer forma, preciso confessar que ouvir o presidente interino tem me dado bastante satisfação. … Ler mais

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

Reductio ad Hitlerum ampliada

HitlerÉ bem provável que você conheça o truque retórico chamado reductio ad Hitlerum. Por meio desse instrumento de discussão, o debatedor, com o intuito de caracterizar o argumento adversário como algo reprovável, de antemão, o compara a alguma ideia, real ou criada, do nazismo ou do próprio Hitler. Com isso, ele acredita obter a vitória, simplesmente por achar ter impugnado o adversário dessa maneira.

Normalmente, a reductio ad Hitlerum é uma grande pilantragem. Quem usa desse artifício quer apenas encerrar a discussão sem, na verdade, adentrar no problema debatido. É, simplesmente, um xingamento travestido de argumentação. … Ler mais

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

Falastrões debatedores: uma espécie a ser combatida

FalastrãoQuem já tentou debater com uma pessoa ignorante sabe o quão desgastante pode ser tal experiência. Quando me refiro a ignorante, quero dizer daquela pessoa que não tem a mínima noção do que está falando, no entanto, acredita, sinceramente, que é um expert no assunto. Diante disso, não perde nenhuma oportunidade para dar palpites, mesmo que ninguém tenha sequer cogitado a conveniência de sua intervenção. … Ler mais

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page